Cotidiano

Todos os campus

Como alcançar a qualidade no sono mesmo diante da pandemia? Especialistas da UFV apresentam dicas

20/05/2020

O sono é fundamental para o nosso desenvolvimento físico e psicológico. Mas como conseguir alcançar a qualidade adequada mesmo diante de tantos sentimentos vivenciados durante a pandemia da Covid-19? Especialistas da UFV nas áreas de saúde mental, educação física e nutrição explicam alguns fatores que interferem no sono e apresentam alternativas que podem melhorar a qualidade dele em tempos de pandemia.

Para o chefe da Divisão de Esportes e Lazer e professor do Departamento de Educação Física, João Carlos Bouzas Marins, “o sono não representa o final do dia, mas a preparação para um novo dia”. Afinal, ele é necessário para o processo de recuperação do corpo e possibilita uma série de respostas hormonais que são fundamentais para restabelecer tudo o que foi gasto fisicamente e mentalmente, possbilitando que iniciemos um novo dia preparados.

O psicólogo e chefe da Divisão Psicossocial, Pedro Baratti, também concorda que um sono adequado auxilia no começo de um dia, já que restaura nossas funções cognitivas, como memória e atenção. A qualidade desse sono é ainda um fator fundamental para analisar a saúde mental e o estado emocional que cada pessoa está vivenciando. “Momentos atípicos geram respostas e comportamentos atípicos. É natural nesse momento de pandemia estarmos com o sono um tanto quanto comprometido, mas uma coisa é uma noite mal dormida, outra é uma frequência de sentimentos, desde ansiedade e solidão até várias noites sem dormir”, destaca.  

Para lidar com o sono, a principal dica é tentar alcançar o autocontrole. “A partir do momento que você tem conhecimento de si, você pode alterar a sua vida para conseguir um ambiente que seja mais ameno e produtivo, tanto pessoalmente quanto profissionalmente”, afirma. Às vezes, há pessoas que não conseguem dormir bem porque estão presas em questões e situações do dia a dia, por isso é necessário que cada pessoa se pergunte sobre quais as situações que a fazem bem e que a relaxam, em contraste com aquelas que a deixam nervosa e estressada. Dentro dessa ótica, Pedro cita, por exemplo, a reflexão da utilização de smartphones, com os questionamentos sobre quais  grupos de whatsapp não me fazem bem ou quais notícias não geram emoções boas e que podem interferir no meu sono?

A professora Maria Teresa Fialho de Sousa Campos, do Departamento de Nutrição, também considera que “o ser em atenção é um ponto primordial” para a seleção sensata de uma alimentação que possa contribuir com a qualidade do sono. As respostas são individuais e dependem de cada organismo. Mas algumas dicas são úteis de serem seguidas, dentre elas: optar por alimentos com melhor digestibilidade; evitar ingerir doces e cafeína durante a noite, por tornarem o processo de indução do sono mais prolongado; e escolher, ao menos para a última refeição do dia, alimentos como iogurte com frutas, leite ou um mingau de aveia que possibilitem uma captação melhor do triptofano (aminoácido que auxilia na produção de serotonina, substância que desempenha papel importante na regulação do sono).

A prática de atividades físicas adequadas também pode contribuir para a qualidade do sono. Como explica João Bouzas, é necessário que cada um se conheça melhor e se atente à intensidade do exercício físico. “Se ela for muito alta, pode jogar tanta adrenalina que interfere no início do sono. Já os exercícios com baixa intensidade têm menor descarga hormonal, o que beneficia o sono mais repousante”. Assim, não é recomendado a quem tem hábitos matutinos, ou seja, acorda cedo, realizar exercícios físicos intensos à noite.

Durante o período de pandemia, em que a rotina muitas vezes acaba sendo alterada, é recomendado ainda que as pessoas tentem seguir as atividades que exerciam antes das medidas de distanciamento social, procurando ao menos continuar com os mesmos horários que dormiam, acordavam e realizavam as refeições.

Os especialistas da UFV também indicam a utilização de técnicas de respiração, a meditação e o resgate de imagens e sensações que transmitam equilíbrio e paz para driblar a ansidedade. Se, mesmo com essas dicas, o sono estiver comprometido durante várias noites, é recomendado que se procure ajuda profissional.

Divulgação Institucional – campus Viçosa