Institucional

Todos os campus

Programa de Eficiência Energética da UFV contribui para preservação de recursos ambientais e redução de gastos orçamentários

01/06/2020

Substituição de luminárias de vapor de sódio por luminárias LED foi uma das ações do Programa

Manter a UFV como referência internacional e, ao mesmo tempo, gerir de forma qualificada todos os seus recursos energéticos, levando em consideração a infraestrutura dos campi Viçosa, Florestal e Rio Paranaíba. Tendo em vista essa missão, a Universidade conta com o Programa de Eficiência Energética, que tem como principal objetivo a melhor utilização das fontes de energia e, consequentemente, reduzir os gastos orçamentários e preservar o meio ambiente.

Como destaca o engenheiro eletricista Heitor Sampaio Guimarães, da Divisão de Gestão Energética, “a energia mais limpa e de menor custo não é aquela que provém de fontes renováveis, mas sim, a que deixa de ser desperdiçada”. Nesse sentido, a equipe da Pró-Reitoria de Administração tem trabalhado constantemente na escolha e implementação das melhores técnicas e equipamentos do mercado a fim de otimizar e garantir a qualidade final de todos os serviços prestados na UFV.

São várias as ações desenvolvidas com o objetivo de contribuir para a eficiência energética. Elas vão desde diretrizes para elaboração de projetos de edifícios mais eficientes, com aproveitamento da iluminação natural, utilização de cores claras, melhora da ventilação natural, até intervenções corriqueiras na automação de processos ou em projetos de modernização de equipamentos. 

Dentre as iniciativas mais importantes em execução na UFV estão:

- A aquisição de 3.584 painéis solares para implementação de usinas fotovoltaicas nos três campi, sendo destinadas 2.800 placas solares para o campus Viçosa e 784 para os campi Rio Paranaíba e Florestal. Essa ação tem economia prevista de R$ 100 mil por mês;

- Instalação de transdutores de energia (medidores inteligentes) nos prédios dos três campi. O sistema opera de forma remota e todos os dados de consumo e qualidade de energia são arquivados em um servidor para futuras análises. Tais dados auxiliarão no entendimento do perfil de consumo de energia na Universidade, as peculiaridades de cada setor e as diretrizes a serem tomadas para um uso eficiente; e

- Instalação de sistema de controle de consumo de energia no campus Viçosa, que monitora o ponto de entrega da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para a Universidade, evitando ultrapassagens de consumo e demanda e, com isso, reduzindo os gastos com multas e os picos de energia em horário de maior utilização.

Além dessas ações, já foram finalizadas duas importantes parcerias com a Cemig/Aneel, por meio de editais de Chamada Pública, em que várias instituições podem participar e disputar uma verba destinada a projetos de eficiência energética. A UFV teve dois projetos aprovados, custeados pela Cemig/Aneel. O primeiro, em 2016, resultou na troca de 8.836 lâmpadas fluorescentes tubulares por lâmpadas LED na Biblioteca, pavilhões de aulas I e II (PVA e PVB) e no Colégio de Aplicação da UFV – Cap-Coluni, com uma economia de anual de 352,01 MWh e redução de cerca de R$ 153 mil em gastos orçamentários. Já o segundo, em 2017, possibilitou a troca de 854 luminárias de vias públicas de vapor de sódio, do campus Viçosa, por luminárias LED, resultando em uma economia de energia anual de 584,19 MWh e evitando cerca de R$ 210 mil em gastos.

Ainda há mais projetos pela frente. Como conta Heitor Guimarães, a estratégia que está sendo adotada até o momento é buscar a eficiência dos sistemas de maior consumo nas instalações elétricas da instituição. Os primeiros passos já foram dados com a troca da iluminação interna de edifícios de maior utilização, como a Biblioteca, PVA e PVB, além da iluminação pública, que detém boa parcela do consumo mensal. Agora, os estudos serão ampliados para os sistemas de ar-condicionado, freezers, autoclaves, chuveiros elétricos, dentre outros.

O engenheiro eletricista da UFV afirma que “se o corte de custos fosse um cabo de guerra, hoje, nós estaríamos puxando a corda tanto com a redução no desperdício de energia, como na geração da própria energia a um custo reduzido”. A implementação das usinas solares nos três campi é exemplo disso e representa “um grande avanço para a gestão energética, bem como uma nova área para diversas pesquisas acadêmicas”, ressalta.

Segundo ele, dentre os projetos que estão em planejamento e serão desenvolvidos em curto prazo na UFV estão ainda: a reativação da Central Geradora Hidrelétrica da Casquinha, para o fornecimento exclusivo de energia no campus Viçosa, e a submissão de projetos na Chamada Pública 2020 da Cemig, como a troca de mais 1.056 luminárias públicas nos campi Viçosa, Florestal e no Centev, além da ampliação da usina solar do campus de Rio Paranaíba

Além dessas ações administrativas, toda a comunidade acadêmica pode contribuir com o uso consciente da energia elétrica, como aponta Heitor Guimarães. “Da mesma forma que estamos acostumados a economizar energia em casa, podemos economizar na Universidade. Gestos pequenos como apagar a luz, desligar o ventilador, colocar o computador para hibernar, desligar o ar-condicionado, dentre outros, pode ajudar muito na eficiência energética. Todos os custos evitados de energia são reinvestidos na UFV. Toda a comunidade acadêmica sai ganhando. Cada quilowatt economizado conta, e muito”, destaca.

Sabrina Areias

Divulgação Institucional – campus Viçosa