Institucional

Todos os campus

Seis laboratórios da UFV estão entre os 19 credenciados pela Funed para realizar testes de detecção do coronavírus

02/04/2020

A expectativa é a de que sejam realizados 200 testes por dia

A Fundação Ezequiel Dias (Funed), vinculada à Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, autorizou que a UFV comece a realizar testes para detecção do novo coronavírus (SARS-CoV-2). Seis laboratórios da Universidade (cinco do campus Viçosa e um do campus Rio Paranaíba) estão entre os 19 credenciados no estado e seus pesquisadores já estão à disposição para analisar amostras coletadas de pacientes com suspeita de Covid-19. Eles aguardam apenas a chegada dos insumos para iniciar a realização dos testes. A expectativa é a de que sejam realizados em torno de 200 testes por dia, liberando os resultados em até 48 horas.

O teste autorizado é o RT-PCR em tempo real, no qual é coletada uma amostra de secreção nasal e da garganta do paciente e levada ao laboratório para uma busca pelo material genético do SARS-Cov-2.

Integrarão a Redelab Covid-19 do governo de Minas o Laboratório de Vírus, coordenado pela professora Poliane Alfenas Zerbini (Departamento de Microbiologia); Laboratório de Ecologia e Evolução de Vírus, coordenado pelo professor Francisco Murilo Zerbini (Departamento de Fitopatologia); Laboratório de Imunobiológicos e Virologia Animal, coordenado pelo professor Abelardo Silva Júnior (Departamento de Medicina Veterinária); Laboratório de Biotecnologia Animal, coordenado pela professora Simone Guimarães (Departamento de Zootecnia), e Laboratório de Genética Ecológica e Evolutiva, coordenado pelos professores Rubens Pasa, Karine Kavalco e Pedro Ivo Good God, do campus Rio Paranaíba. O Laboratório de Análises Clínicas da Divisão de Saúde da UFV, coordenado pelo farmacêutico-bioquímico Marcos Rodrigo de Oliveira, também atuará na rede, gerenciando o recebimento das amostras, cadastrando-as no sistema e emitindo os laudos.

A professora Poliane Alfenas conta que, desde o final de fevereiro, a Universidade vem se empenhando em obter esta autorização. Em termos práticos, ela representa a possibilidade de atendimento da população de Viçosa e região, e também de Rio Paranaíba e cidades do entorno. Segundo a professora do Departamento de Microbiologia, estarão à frente do trabalho equipes dos laboratórios formadas pelos seus respectivos coordenadores e por estudantes que já atuam ali e estão treinados para manipulação de amostras virais e nas técnicas que serão utilizadas para execução dos testes.

A coordenadora do Laboratório de Vírus destaca que a realização dos testes não trará risco para o ambiente de trabalho dos pesquisadores. E explica: “o agente de saúde irá coletar a amostra com o swab (cotonete estéril) e colocará esse material dentro de um tubo, que contém um tampão de inativação do vírus. O material coletado poderá ficar neste tampão por até 72 horas em uma temperatura entre 4º e 6º. Portanto, o vírus já chegará inativado ao laboratório, garantindo a segurança de todos nós que trabalharemos na manipulação das amostras”.

Apesar do trabalho intenso, a professora conta que a equipe está entusiasmada. “Nós nos organizamos em escalas de trabalho para não sobrecarregar ninguém, já que se trata de uma função que demanda muita dedicação e atenção. Não podemos errar. Todos estão muitos satisfeitos em poder dar esta contribuição para a sociedade”.

O reitor da UFV, Demetrius David da Silva, compartilha desta satisfação, ressaltando que o credenciamento pela Funed é de extrema importância para a sociedade. Ele lembra que a realização precoce dos testes poderá desafogar o sistema de saúde de Viçosa e de Rio Paranaíba. “Realizar 200 testes por dia é um volume significativo, levando-se em conta que, em Viçosa, por exemplo, até o dia 31 de março, haviam sido feitos apenas 27 testes de detecção do coronavírus. O reitor acrescenta ainda que esta é apenas uma das ações que a Universidade vem desenvolvendo no sentido de minimizar os impactos da pandemia. Outras estão em andamento, em conjunto com as secretarias de saúde das cidades onde estão localizados seus três campi - Viçosa, Florestal e Rio Paranaíba.

Vale destacar que o credenciamento se deve também à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que, ao longo dos anos, têm possibilitado o desenvolvimento e fortalecimento da infraestrutura de pesquisa da UFV.

 

Divulgação Institucional – campus Viçosa