Site UFV

Todos os campus

UFV lança portal de divulgação científica

21/05/2019

Além da excelência em ensino e extensão, a Universidade Federal de Viçosa ocupa local de destaque quando se trata, também, de pesquisa. No repositório institucional da universidade, estão registradas 10.911 produções técnico-científicas e mais de 11 mil teses e dissertações. No entanto, devido às suas particularidades e termos de difícil entendimento, a linguagem científica pode não ser compreensível a quem não faz parte do ambiente universitário. Pensando nisso, e considerando de fundamental importância que as pesquisas aqui produzidas sejam de possível entendimento à maioria dos brasileiros, a Universidade inaugura o portal UFV Ciência, por meio do qual os visitantes terão acesso a um conteúdo explicativo e simplificado acerca das produções científicas.

As notícias do novo site serão categorizadas de duas maneiras: conforme as grandes áreas do conhecimento, definidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), e de acordo com os cursos oferecidos na UFV. Desse modo, os visitantes poderão optar pelo acesso a assuntos específicos de seu interesse. A UFV oferece, atualmente, 69 cursos de graduação, distribuídos em quatro centros de ciências em seus três campi: Viçosa, Florestal e Rio Paranaíba.

O portal foi inspirado por uma iniciativa semelhante implementada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS), que lançou, em março de 2016, o UFRGS Ciência. O Diretor de Comunicação Institucional da UFV, Rennan Mafra, esteve na universidade gaúcha para trocar experiências e discutir a viabilidade de trazer o formato para Viçosa. “A universidade pública brasileira é local de excelência na produção científica e se torna fundamental ao desenvolvimento social. Por isso, o UFV Ciência chega em excelente hora para que a Universidade Federal de Viçosa possa compartilhar suas descobertas e ampliar as interlocuções com a sociedade”, afirma ele.

O Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação, Luiz Alexandre Peternelli, enxerga a relevância da comunicação atrelada à produção científica. “A opinião pública afeta os gestores dos recursos, que precisam saber como e onde o dinheiro está sendo aplicado”, afirma, “desse modo, as universidades que compartilharem seu conhecimento conseguirão mais recursos, e, com mais recursos, mais pesquisas serão feitas”.

Para viabilizar o UFV Ciência, foi criada a Câmara Técnica de Divulgação Científical, órgão que conta com dois representantes de cada centro de ciências da Universidade e com profissionais da Diretoria de Comunicação Institucional (DCI). Para a reitora Nilda Ferreira de Fátima Soares, “a Câmara Técnica é fundamental para que a divulgação científica seja uma política institucional permanente na UFV”. Ela ressalta ainda que “o UFV Ciência vem cumprir uma função muito importante, que é a de prestar contas à sociedade brasileira do que está sendo feito dentro da Universidade”, e destaca o potencial que esta ação tem de despertar o interesse das pessoas pela educação.

Para a criação do portal, também foi fundamental a participação da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI), que, em parceria com a DCI, estabeleceu a identidade visual e os padrões de tela do site. Segundo a diretora da DTI, Michelini Lopes da Mota, o layout do UFV Ciência foi planejado para atender às necessidades dos usuários de modo funcional, proporcionando facilidade de uso e, ao mesmo tempo, ressaltando as características visuais já apresentadas nos outros sites da universidade.

A criação do portal UFV Ciência só foi possível graças aos recursos disponibilizados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), por meio da chamada 08/2015, de apoio à criação e/ou consolidação das estruturas de comunicação e divulgação científica. A chamada é resultante de ações da Rede Mineira de Comunicação Científica, iniciativa da Fapemig que reúne representantes das instituições científicas para fomentar políticas e ações de comunicação da ciência em Minas Gerais. “A UFV se coloca como parceira da Fapemig, a quem agradece, e enxerga com preocupação os drásticos cortes que vêm sendo sofridos pela Fundação, o que pode ser prejudicial ao fomento da pesquisa no Estado”, diz Rennan Mafra. Ele completa reforçando o valor de iniciativas como essa para a população: “existem questões muito importantes que precisam de respostas sociais, sobre as quais a Ciência se posiciona e oferece soluções”.

 

Divulgação Institucional

Reunião da Câmara Técnica de Divulgação Científica

Na foto, Rennan Mafra ao lado das jornalistas Édina e Camila, da UFRGS.

A reitora abriu a primeira reunião da Câmara, em 20 de março