Agrárias

Campus Viçosa

Pesquisa na UFV - Sensor de videogame é utilizado para a melhoria da agricultura

21/10/2013

Sabe aquele sensor de movimentos usados nos videogames que fazem parecer que o jogador, mexendo seus braços, está dentro do jogo? Pois eles podem ser usados também para medir a necessidade de agrotóxicos em uma planta. Isso é bom para a saúde, para o bolso e para o meio ambiente porque a precisão no uso de defensivos evita exageros, contaminação e gastos desnecessários. A adequação do sensor dos videogames às necessidades da agricultura é fruto de pesquisas dos Departamentos de Engenharia Elétrica e Engenharia Agrícola e Ambiental da Universidade Federal de Viçosa.

Os pesquisadores querem usar o sensor usado nos videogames para calculara área e volume das plantas. Os dados do sensor seriam cruzados com informações já conhecidas e que permitem calcular a real necessidade de cada planta, sem cometer faltas ou exageros. Tudo isso estaria funcionando dentro de um mesmo equipamento, como um trator, por exemplo. Com os dados exatos, estes equipamentos liberariam a quantidade exata do defensivo químico em cada planta. Tudo isso ao mesmo tempo e muito rapidamente. Esta seria mais uma tecnologia para o que já é conhecido como agricultura de precisão.

O professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFV Alexandre Brandão explica que “o sensor é comercialmente barato e possui inúmeras funções úteis: ele possui uma câmera de alta resolução, emite sinal infravermelho fornecendo uma noção de profundidade e possui um microfone capaz de orientar a câmera e movimentá-la de acordo com a necessidade”. Com isso, os pesquisadores estão criando um sistema inteligente de pulverização que calcule o volume de planta. O professor Mauri Martins Teixeira, orientador das pesquisas no Departamento de Engenharia Agrícola e Ambiental, explica que essa adaptação é totalmente benéfica, uma vez que ao fazer entra distinção do volume, cada planta receberá apenas a quantidade de agrotóxico necessária, evitando desperdício ou aplicação insuficiente.

Os pesquisadores já descobriram que o sensor dá certo. O problema é que o equipamento mais usado nos videogames é de uma grande empresa de informática e os raios infravermelhos do sol nos ambientes das lavouras interferem no seu funcionamento. A alternativa para essa situação é a utilização de um sensor baseado em um laser comercial tão eficiente quanto o dos games, mas que suporte as condições do trabalho no campo. 

A utilização deste laser já é bastante difundida em pesquisas na comunidade Europeia e apresenta características equivalentes ao sensor do videogame na área de tecnologia de aplicação de defensivos. No entanto, sua principal vantagem está em não sofrer alterações provocadas pelos raios infravermelhos do sol e a resistência em trabalhar no ambiente do campo. As pesquisas do Departamento de Engenharia Agrícola da UFV apostam também nesta tecnologia para investigar plantas arbóreas e frutíferas e desta forma, agregar valor aos frutos produzidos no Brasil. O Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade conta com um Analisador a Laser de Partículas, único em toda América Latina, especificamente para o cálculo da quantidade de agrotóxico presente em cada gota, o que possibilita avanços significativos em relações aos demais centros de pesquisa e uma maior precisão no momento da aplicação.

As duas frentes de pesquisa, tanto a do sensor do videogame quanto do laser comercial, fazem parte dos estudos em mecanização agrícola da UFV. Esses estudos caminham juntos para o desenvolvimento de tecnologia aplicável à agricultura e para a melhoria da produção agrícola.

(Janaína Campos, bolsista)