Notícias

Dissertação discute percepção das agricultoras rurais sobre solos e serviços ecossistêmicos

05/03/2018

No mês da mulher, trabalho defendido por mestranda, tem banca formada apenas por mulheres

Angélica da Silva é neta de agricultores da zona rural de São Miguel do Anta, município próximo a Viçosa. Formou-se em Agronomia na UFV e quando procurou um tema para trabalhar no mestrado voltou–se para o passado da família para identificar como as mulheres e os homens percebem, de maneira diferente, a relação com os solos. Na defesa da dissertação, as mulheres da comunidade da Capivara, onde foi realizado o trabalho, estavam lá para testemunhar o que ajudaram a ciência a perceber. Muitas delas estiveram pela primeira vez em uma universidade.

A apresentação de Angélica também teve características bastante inusitadas para a cultura da UFV. Além da defesa ter sido aberta ao público, deste público ser formado por agricultoras e não apenas por colegas ou familiares, a banca examinadora também foi inteiramente feminina, assim como a orientadora, Irene Cardoso, e a co-orientadora, Cristine Mugler, ambas professoras do Departamento de Solos da UFV.

A dissertação teve como título Diálogos sobre os benefícios da natureza e suas relações com os solos: as especificidades dos olhares das mulheres agricultoras. Para realizar o trabalho, a mestranda usou ferramentas da etnopedologia, buscando identificar como produtoras e produtores rurais percebem os diferentes serviços ecossistêmicos relacionados aos solos, tais como a produção de alimentos e de plantas medicinas, manutenção da biodiversidade, regulação do ciclo de água, regulação do clima, ciclagem de nutrientes e regulação da erosão. Para Angélica, a agricultura que preconiza a produtividade a partir do uso de adubação química, agrotóxicos e mecanização desconsidera o saber dos agricultores tradicionais, dificultando a adoção de práticas sustentáveis.

Mas, segundo a autora, existem diferenças nas percepções dos homens e mulheres sobre os serviços ecossistêmicos relacionados ao solo. “A importância da terra para a produção dos alimentos e o conhecimento sobre as plantas medicinais está mais fortemente presente nas falas das mulheres do que dos homens”, disse a mestranda. O trabalho conclui ainda que as mulheres têm um papel fundamental na reconexão das agricultoras e dos agricultores com a natureza e com as práticas mais ecológicas.

É nos ambientes de domínio das mulheres, tais como hortas e quintais, que as práticas de manejo de base ecológica são mais utilizadas nas propriedades. Em geral, as mulheres apresentam maior rejeição ao uso dos agrotóxicos, sobretudo nas hortas. A percepção de que terra e água são organismos vivos e dinâmicos é mais frequente nas falas das mulheres”, disse ela.

Para Angélica e Irene Cardoso, a proposta de uma pesquisa-ação utilizando diversos instrumentos e ferramentas participativas possibilitou a reflexão sobre a importância da conservação dos solos e dos serviços ecossistêmicos associados aos solos. A orientadora também destacou a importância da participação da Emater na realização do trabalho, conectando a pesquisa com a extensão na experiência desta dissertação de mestrado.

A banca examinadora foi formada por Ivonete da Silva Lopes, professora do Departamento de Economia Rural, Janaína Miranda Lisboa, da Emater, e Juliana Sena Calixto, professora do IFET Sudeste. A dissertação foi defendida na última quarta-feira (28), no Programa de Pós-graduação em Solos e Nutrição de Plantas da UFV.

Léa Medeiros

Foto: Daniel Sotto Maior
Divulgação Institucional

Notícias

Destaques


Eventos

Campus UFV - Viçosa

  • Ministério da Educação
  • Transparência Pública
  • Acesso à Informçãão
  • Agenda da Reitora
  • Campus Oficial